15 de abril de 2024

Reforma Ministerial no Governo Lula (Francisco Nery Júnior)

Por

Redação, sitepa4

Por Francisco Nery Júnior   

Fala-se em uma reforma ministerial no Governo Lula que acaba de completar [apenas] um ano. Entenda-se por reforma ministerial uma acomodação de cargos, uma dança de cadeiras, distribuição do poder, até mesmo um esforço de governabilidade. O significante do termo reforma desce mais ao fundo da boa intenção, do caráter e do compromisso – mesmo do possível – de quem comanda e governa.

Nós preferiríamos, ainda, o termo remanejamento que é o que o presidente Emmanuel Macron tenta fazer na França tradicionalmente insubordinada. O presidente reuniu os novos ministros convocados pelo jovem primeiro-ministro Gabriel Attal e foi taxativo: “Eu não quero gestores. Eu quero revolucionários”.  E continuou: “Eu espero de vocês resultados”.

Macron foi além e, com a autoridade de presidente outorgada pelo povo, “eu exijo a solidariedade e a rapidez que são a condição da eficácia”.

Embora sejamos uma democracia ainda jovem e careçamos de uma reforma política, a mãe das reformas de que necessitamos, podemos ser revolucionários no sentido de sermos ousados nas decisões em um Brasil potencialmente viável.

O presidente se sentiu na obrigação de ser repetitivo para o bem dos franceses: “Eu espero de vocês resultados, de novo resultados e sempre novos resultados”. A afirmação trouxe à memória declaração do ex-governador Antônio Carlos Magalhães segundo a qual é preciso saber cobrar [resultados dos subordinados].

Emmanuel Macron desprezou o que denominou “états d’âme”, que poderíamos traduzir por alma pronta, ânimo ou mesmo intrepidez, até o nosso termo bravata, em função de “états de services”, a lista de serviços prestados, resultados alcançados. expressão conhecida nos meios militares.

No Brasil, precisamos de paz e amor. Precisamos cultivá-los considerando que “o amor venceu”. Com trabalho, poupança e investimento, poderemos decolar. Desta forma decolaram Coreia do Sul, Índia e China. Alguns países africanos desprezaram as intrigas, revanches e baboseiras ideológicas e começam a se desenvolver. Sem bravatas, passadas ou presentes, temos condições de decolar. Desejo de revanche ou de “lascar” com quem quer que seja, não nos levará a lugar nenhum. Os maus por si se destroem, repetia a minha mãe.

No Brasil, bem aqui nas nossas terras tabajaras ou tupiniquins, Getúlio Vargas renunciou com um tiro no peito e Juscelino Kubitschek anistiou os oficiais que tentaram derrubá-lo do governo na Revolta de Jacareacanga. Ambos foram responsáveis por dois grandes saltos para a frente do Brasil.

 

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!