15 de abril de 2024

Professor da Ufba é demitido após denúncias de assédio sexual na BA; homem teria oferecido R$ 5 mil a uma das vítimas

Por

Redação, sitepa4

Casos aconteceram com pelo menos três vítimas, em Salvador, no ano de 2020, na universidade que em 2022 integrou o ranking de melhores do mundo.


Um professor de filosofia da Universidade Federal da Bahia (Ufba) foi demitido após denúncias de assédio sexual, informou o portal g1. De acordo com um documento emitido pela instituição de ensino, assinado na quarta-feira (22), os três episódios aconteceram em 2020 na universidade que no ano passado integrou o ranking de melhores do mundo.

Não há informações sobre quando as vítimas denunciaram os casos, nem se o professor foi afastado logo após a denúncia. O g1 entrou em contato com o professor e aguarda posicionamento. A assessoria de comunicação da Ufba também foi procurada e informou que não vai emitir nota sobre o caso.

As denunciantes eram duas alunas e uma funcionária da universidade. Em todos os casos, elas relataram que inicialmente tinham relações cordiais com o professor, até que ele passou a enviar mensagens de teor sexual. Em uma delas, a vítima contou que o suspeito disse que queria engravidá-la.

A primeira pessoa mulher a denunciar o professor na reitoria da universidade foi a funcionária da instituição, em 2021. Depois dela, as duas alunas prestaram as queixas. Veja o que disseram as vítimas, conforme o documento da Ufba:

Vítima 1
A vítima 1 era aluna do professor de filosofia. Em depoimento à direção da faculdade, ela contou que ambos mantinham uma relação cordial até que em setembro de 2020, recebeu mensagens dele por um aplicativo de mensagens.

Segundo a vítima, as mensagens tinham conteúdos como “quero te beijar”, “você é linda” e “quero ficar contigo”.

Um dia depois, o professor teria mandado outras mensagens e se desculpou pelas falas. Segundo a vítima, ele atribuiu a situação a “estar passando por momentos difíceis”.

Porém, em dezembro do mesmo ano, ela recebeu novas mensagens do docente. Para a direção da faculdade, a vítima disse que ele voltou a escrever mensagens de teor sexual, onde afirmava que queria que ela engravidasse dele e ofereceu R$ 5 mil para que eles ficassem juntos.

Vítima 2
A vítima 2 também era aluna do professor. Segundo ela, a situação começou quando foi convidada para ir até o apartamento do docente, em julho de 2020. Ela acreditou que o convite estava a associado a confraternização de um projeto onde eles atuavam juntos.

O documento não detalha o que de fato ocorreu na casa do professor, mas a vítima indica que teria sido acariciada e dopada pelo profissional.

“O saldo dessa experiência é, além dos danos emocionais e da integridade psíquica, me sinto enojada e incapaz de permanecer no projeto”, relatou na época.

Vítima 3
A vítima 3 é funcionária da universidade. Ela relatou que, em outubro de 2020, foi surpreendida com uma mensagens de teor sexual do professor. Nelas, o docente fazia comentários sobre a vítima e sobre a filha dela, que tinha menos de 18 anos na época.

“[O assédio] me ocasionou grave desconforto e prejuízo emocional, com sintomas de ansiedade e insônia”, relatou a vítima.

A funcionária ainda disse que a situação prejudicou a atuação dela na universidade.

Decisão da Ufba
De acordo com o documento emitido pela Ufba, a defesa do professor apresentou laudos que comprovam que ele foi diagnosticado com transtorno bipolar, o que “não compromete o seu cognitivo, mas interfere na manifestação comportamental”.

O professor assumiu a autoria das mensagens enviadas para as alunas e para a profissional, mas negou ter acariciado e dopado a aluna que foi até sua casa.

A comissão da universidade considerou o caso como situação análoga à hipótese de semi-imputabilidade do Código Penal brasileiro, que autoriza a punição do autor, mas impõem uma redução de pena.

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!