22 de junho de 2024

Clarão no céu visto em Paulo Afonso e diversas cidades do NE é de restos de foguete chinês; dizem pesquisadores (VÍDEOS)

Por

Redação sitepa4, com g1ba

Clarão no céu visto em Paulo Afonso e diversas cidades do NE é de restos de foguete chinês; dizem pesquisadores. Fotos: pa4.com.br (cortesia Pallo Brasil)

 

Um clarão no céu chamou atenção de moradores de Paulo Afonso, Bahia, e em diversas cidades do Nordeste na noite de sexta-feira (22). O fenômeno foi causado pela queda do corpo de um foguete chinês lançado em 2018, conforme informações de Marcelo Zurita, presidente da Associação Paraibana de Astronomia, e Alexsandro Mota, membro da Rede Brasileira de Observação de Meteoros.

O fenômeno foi visto em cidades como Paulo Afonso, Glória, Santa Brígida e Jeremoabo. Além dos municípios baianos, o resto do foguete chamou atenção de moradores de várias cidades de Alagoas, exemplo de Delmiro Gouveia, Rio Grande do Norte, Piauí e Sergipe.

O Brazilian Meteor Observation Network (Bramon), Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros, também relatou os indícios de lixo espacial.

No início desta semana, a queda de um meteoro também provocou um grande clarão no céu na Chapada Diamantina, na Bahia, que pôde ser visto em diversas cidades da Bahia, mas os pesquisadores reforçam que os casos não têm relação e a ocorrência em curto espaço de tempo é mera coincidência. [Assista abaixo]

Membro da Rede Brasileira de Observação de Meteoro explica clarão no céu do NE

“O foguete em si é formado por estágios, a medida que ele vai subindo para chegar ao espaço ele vai liberando esses estágios. Existia um estágio desse foguete Longa Marcha 2C que estava orbirtando a Terra desde 2018, só que ele foi decaindo orbitalmente, como a gente fala”, explicou Alexsandro Mota, que também é divulgador científico.

Conforme explicou Mota, o lixo espacial foi perdendo a altitude por causa do choque com as moléculas do ar e perdeu velocidade. A gravidade, por consequência, começou a atrair o corpo do foguete cada vez mais.

Ainda segundo Alexsandro Mota, chega um momento em que o objeto atinge uma camada muito densa de gases, perde velocidade e reentra na atmosfera.

“Uma reentrada pode ocorrer com muita velocidade. A gente está falando de milhares de quilômetros por hora, a gente está falando de 7 mil km por hora. Por isso que fica todo aquele show luminoso no céu, porque a atmosfera sendo atingida por um objeto nessa velocidade vai ficar incandescente, então vai brilhar muito”, falou.

Veja vídeos

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!