26 de maio de 2024

Internauta: Janinho e seus confrontos de personalidade

Por

Ícaro Santos icaro-santoss@hotmail.com


 


Janinho e seus confrontos de personalidade


 


Caro Ozildo, mais uma vez o nosso grande secretário de turismo, esporte e cultura e escritor, escreve um texto para Jornal A Tarde com o título “Não quero Dilma como mãe”, texto no qual me deixa mais uma vez encucado rsrs. Antes, o mesmo matou Serra, chamou Lula de lulinha “que intimidade” melhor do que ser gente boa, agora não quer ser filho de Dilma será que queres ser sobrinho de marina?!. Ou apenas os caciques do DEM o chamara no canto e fizeram uma ameaça de corte pra verbas em festas?


 


Não sei, algo estranho acontece no reino das vilas. Tudo leva a crer que o grupo atual de Janinho não lhe passa a mesma segurança de anos atrás, ou será que os boatos de um novo grupo político ligado ao Sr. Antônio Alexandre estar mexendo com a cabeça de Jânio? Paulo de Deus vem ai com muita sede, gana e muitos fãs, um deles o próprio Jânio.


 


Veja a nova crônica de Janinho publicada no Joranal A Tarde:



 


Não quero Dilma como mãe


 


Jânio Ferreira Soares



Na frente em todas as pesquisas e muito próxima de ser a primeira
mulher a presidir o País, Dilma Rousseff anda dizendo que será a mãe do povo brasileiro.


 


Não sei você, mas desde já agradeço a nobre intenção genitorial da
candidata e adianto que estou muito satisfeito com os préstimos
maternais de dona Cecília, quase 90 de idade e sempre com um lindo sorriso emoldurado por vasto cabelo preso em coque, que além de todos os cuidados possíveis ainda me recomenda diariamente a dezenas de santos e, de quebra, faz um bife cozido com batatas que eu duvido que a pretendente a mãe do Brasil seja capaz. Portanto, caso realmente insista nessa onda de consanguinidade, concedo a dona Dilma, no máximo, a chance de ser minha madrinha de crisma ou minha comadre de fogueira de São João.


 


Nunca simpatizei com políticos que se arvoram protetores do povo. Além de soar canhestro, essa pseudo paternidade dá a impressão de que somos um bando de crianças sempre na dependência de alguém para trocar nossas fraldas e colocar papinha de maizena na “boquinha do neném”. O que eu espero de um presidente é que ele aja de modo constitucional e republicano, e que assegure os meus direitos.


 


Que não permita que ladrões invadam o meu quintal e roubem minhas mangas e galinhas; que me guarde dos censores travestidos de democratas que salivam ávidos com a possibilidade de voltar a
controlar o que meus olhos veem e minha mente anseia; que, em hipótese alguma, admita a violação dos meus segredos, sejam eles fiscais ou sentimentais (não quero ninguém sabendo detalhes daquele verão de 86 na Ilha de Itaparica); e, caso isto aconteça, que ele jamais se comporte como um militante partidário, mas, sim, como alguém que jurou me proteger contra as mazelas da ditadura.


 


Agora, se você quiser mesmo chamá-la de mamãe – ou de vovó –, um lembrete: como família não se escolhe, no almoço dominical prepare-se para tomar a bênção e beijar as mãos dos titios Renan e Zé Dirceu, além de beber “gualaná” no colo do vovô Sarney. A sobremesa? Tia Erenice faz um pudim.


 


 


Jânio Soares (Janinho) – Escritor e secretário de Cultura de Paulo Afonso

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!