17 de abril de 2024

Justiça: Grupo Oásis x Suprave

Por

CONFLITO DE COMPETÊNCIA


 


Foi dada a empresa Oásis Motos, pertencente ao Grupo Oásis, ao Auto de Imissão de Posse, em cumprimento ao Mandado de Imissão de Posse, expedido pela Justiça do Trabalho em Paulo Afonso, de parte da Granja Suprave de propriedade de Suprave-Ind. e Com. de Rações Ltda., objeto de execução laboral, na data de 12 de abril deste ano. O leilão realizado em 20 de novembro de 2006, a empresa Oásis Motos foi à apresentante do melhor lanço, arrematando o bem imóvel descrito no edital do leilão, pertencente a época a Suprave.


 


Em 14 de outubro de 2009, foi expedido a “Carta de Arrematação” em conformidade com os dispositivos legais, onde dá o direito liquido e certo de propriedade, que foi levada a registro no Cartório de Títulos e Documentos em 03 de novembro de 2009, ocorrendo dessa forma à transmissão.


 


A Carta de Arrematação é expedida após constatar o pagamento (depósito) ou prestadas às garantias pelo arrematante, com assinatura do juiz, do arrematante e do leiloeiro, considerando dessa forma “perfeita, acabada e irretratável, ainda que venham a ser julgados procedentes os embargos do executado”.


 


Com a Carta de Arrematação em mãos, já com o registro no Cartório de Imóveis, do bem arrematado, a Oásis procurou a Suprave para tomar posse. No entanto, a Suprave negou-se a atender o feito. Contudo, mostrou outro bem, de características divergentes do bem penhorado e arrematado.


 


A Suprave, não reconhecendo a legitimidade da Carta de Arrematação em poder da Oásis, levou a Justiça do Trabalho a proceder ao Auto de Imissão de Posse, lavrado pelos oficiais de justiça em 12 de abril de 2010, em cumprimento ao “Mandato de Imissão de Posse”.


 


A Oásis, mediante seu representante, dirigiu-se juntamente com os oficiais de justiça do trabalho, até o imóvel arrematado, que indicaram ao preposto os limites e confrontações da propriedade.


 


Ocupada a área com a devida autorização da Justiça, iniciou-se o desmembramento de parte da Granja Suprave um total de 127.500 m2 onde no leilão constava de 01 (uma) casa de moradia e 02 (dois) galpões sendo um de 40X15 m² e outro de 90X15 m².


 


Ocorre que, quando mesmo estando sob judice (penhora), a Suprave construiu alguns galpões a mais, tanque para armazenamento de água e prolongamento da vacaria.


 


A Oasis colocou algumas pessoas para efetuar o trabalho braçal de delimitação da área que legalmente lhe pertence, tendo inclusive deixado parte em aberto para que a Suprave pudesse alimentar as aves e gado bovino existente no local.


 


Esta delimitação foi realizado entre os dias 12 a 16 de abril. No entanto, este trabalho foi desfeito, pelos proprietários da Suprave, após o final do dia 16 de abril, não sobrando nenhuma estaca e arame da demarcação.


 


No dia 17 de abril, os funcionários da Oásis, tiveram a sua entrada proibida pelos prepostos da Suprave, sendo dessa forma impedidos de concluir o trabalho que estavam realizando.


 


Acontece que em 2008, Raniere Leandro de Moraes, entrou com uma Ação de Interdito Proibitório com Manutenção de Posse, na Justiça Estadual, alegando posse e propriedade do terreno onde esta construída a granja Suprave.


 


No dia 13 de abril de 2010, o mesmo autor, ingressou com a Ação de Manutenção de Posse e Força Nova, que restou apensada a Ação de 2008, alegando turbação de posse (do arrematante – Justiça do Trabalho).


 


No dia 17 de abril, foi divulgada por parte da Suprave, cópia de liminar expedida pelo juiz Rosalino Santos Almeida, da Justiça Civil da Comarca de Paulo Afonso a ser cumprida.

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!