21 de abril de 2024

Eleições 2010: a disputa na Bahia

Por

ALIANÇA COM PPS DÁ A GEDDEL TOQUE ESQUERDISTA


 


O presidente estadual do PMDB, Lúcio Vieira Lima, comemorou a recente aliança com o PPS. Para o peemedebista, a medida confirma a repercussão da força que ganhou a chapa do pré-candidato do seu partido ao governo, Geddel Vieira Lima. “Sempre agregamos apoio com a apresentação de propostas concretas que apontem para um futuro melhor para o nosso estado e não na base do fisiologismo. Enquanto nós agregamos, eles estão perdendo”, declarou Lúcio ao Bahia Notícias. Outro ponto destacado pelo político foi a “pitada” de esquerda que ganha a coligação, diante do perfil do PPS.


 


OTTO DIZ QUE FEZ MAL ELEGER BORGES SENADOR


 


Em contato com o Bahia Notícias, o ex-conselheiro Otto Alencar, que integrará uma das vagas na chapa majoritária do governador Jaques Wagner (PT), demonstrou todo o seu descontentamento com as seguidas criticas de acusações que lhes são dirigidas, em especial as recentes oriundas do PR, que tem o comando do senador César Borges. Otto avalia que o partido de Borges está a ser usado pelo PMDB para atacar e prejudicar o seu retorno à política. “Eles (do PR) estão sendo um braço marginal para me perseguir. Nunca fui tão perseguido desde que decidir voltar à vida pública. No entanto, quanto mais pressão, mais coragem eu tenho. Eu sou uma pessoa decidida e tenho muita determinação”, disse Alencar. Ele foi ainda mais taxativo, ao dizer: “Eu fiz um mal muito grande a mim mesmo quando fiz de César Borges senador da república em 2002”, desabafa Otto.


 


PMDB ELEGE GOVERNADOR DO DF


 


Segundo informa a Uol, o ex-secretário de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal Rogério Rosso (PMDB) foi eleito neste sábado novo governador do DF. O peemedebista conseguiu obter 13 votos dos integrantes da Câmara Legislativa, e acabou eleito em primeiro turno –já que teve o apoio de mais da metade dos 24 deputados distritais. O candidato do PT, Antônio Ibañez, recebeu seis votos e Wilson Lima (PR), outros quatro. O deputado Raad Massouh (DEM) se absteve na votação. Luiz Filipe Coelho (PTB) não recebeu nenhum voto. Rosso conquistou a vitória com o apoio do PMDB, do PPS, do DEM e inclusive de parte do PR –que tinha como candidato o atual governador interino do DF, Wilson Lima. Na chapa, além de Rosso, a ex-secretária Ivelise Longhi (PMDB) foi eleita vice-governadora do DF. O novo governador foi secretário de Desenvolvimento Econômico e administrador de Ceilândia no último governo Joaquim Roriz (PSC) e do Distrito Federal). , na gestão de Arruda, presidiu a Codeplan (Companhia de Planejamento)



OTTO: SOUTO NÃO SOBE A SERRA COM APOIO DE SERRA


 


O ex-conselheiro Otto Alencar, integrante de uma das vagas da chapa majoritária do governador Jaques Wagner (PT), avalia como precipitada a expectativa do DEM baiano de que o presidenciável José Serra (PSDB) puxará votos para o pré-candidato a governador Paulo Souto (DEM). Otto tomou como base a eleição de 2002, que envolveu o próprio Souto, quando o grupo carlista saiu vitorioso no governo do Estado, porém foi vergonhosamente derrotado para a Presidência da República, com o candidato Ciro Gomes, na época. “Ele (Paulo Souto) está achando que será puxado com a subida de Serra. Isso não tem nada a ver. Essa expectativa é mais do que equivocada. Estão na esperança de que vai subir a serra com o apoio de Serra. O que pode acontecer é descer a serra. Estão completamente errados”, disparou Alencar.


 


LÚCIO REBATE SOUTO EM PROL DE DILMA


 


O presidente do PMDB baiano, Lúcio Vieira Lima, contatou o Bahia Notícias e minimizou as avaliações do ex-governador Paulo Souto (DEM) sobre o resultado da pesquisa do Datafolha para as eleições presidenciais. Para o peemedebista, as considerações do democrata são equivocadas em todos os sentidos, principalmente no quesito “cantar vitória”, de forma antecipada. “Quando ele diz que Serra pode decidir a eleição em primeiro turno, ele passa a ter o mesmo comportamento do governador Jaques Wagner aqui no estado, o qual foi criticado pelo próprio Paulo Souto”, lembra Lúcio. A afirmação de Souto de que Serra veio para a Bahia por esperar crescimento eleitoral, também foi rebatida pelo peemedebista. “Serra veio para cá foi porque está preocupado com a fragilidade do seu palanque aqui e não por esperar crescimento. Que crescimento? A Dilma (Rousseff, candidata do PT à Presidência), com a dobradinha com Geddel na Bahia, vai ter um palanque muito forte, fato que se repetirá em todo o Brasil”, finalizou o caçula dos Vieira Lima.


 


PPS FECHA COM GEDDEL


 


A Executiva estadual do PPS decidiu, após um encontro com suas bases, que defenderá o projeto que tenta emplacar o deputadsobreGeddel Vieira Lima (PMDB) como o novo governador do Estado. A decisão foi anunciada neste sábado (17), mas a cogitação em torno da aliança PPS-PMDB já ocorre desde antes. A sigla se reuniu na sede da Faculdade de Engenharia da UFBA, com membros dos diretórios de diversos municípios e, segundo antecipou ao Bahia Notícias o presidente da legenda George Gurgel, a escolha foi democrática e unânime. Agora, a coligação conta com PMDB, PTB, PR, PRTB, PSC e PPS.


 


SOUTO COMENTA QUE SERRA PODE LEVAR NO 1º TURNO


 


O presidente estadual do DEM, Paulo Souto, comemorou o resultado da pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha, que aponta a liderança do ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) n��������™+�� ��

ALIANÇA COM PPS DÁ A GEDDEL TOQUE ESQUERDISTA


 


O presidente estadual do PMDB, Lúcio Vieira Lima, comemorou a recente aliança com o PPS. Para o peemedebista, a medida confirma a repercussão da força que ganhou a chapa do pré-candidato do seu partido ao governo, Geddel Vieira Lima. “Sempre agregamos apoio com a apresentação de propostas concretas que apontem para um futuro melhor para o nosso estado e não na base do fisiologismo. Enquanto nós agregamos, eles estão perdendo”, declarou Lúcio ao Bahia Notícias. Outro ponto destacado pelo político foi a “pitada” de esquerda que ganha a coligação, diante do perfil do PPS.


 


OTTO DIZ QUE FEZ MAL ELEGER BORGES SENADOR


 


Em contato com o Bahia Notícias, o ex-conselheiro Otto Alencar, que integrará uma das vagas na chapa majoritária do governador Jaques Wagner (PT), demonstrou todo o seu descontentamento com as seguidas criticas de acusações que lhes são dirigidas, em especial as recentes oriundas do PR, que tem o comando do senador César Borges. Otto avalia que o partido de Borges está a ser usado pelo PMDB para atacar e prejudicar o seu retorno à política. “Eles (do PR) estão sendo um braço marginal para me perseguir. Nunca fui tão perseguido desde que decidir voltar à vida pública. No entanto, quanto mais pressão, mais coragem eu tenho. Eu sou uma pessoa decidida e tenho muita determinação”, disse Alencar. Ele foi ainda mais taxativo, ao dizer: “Eu fiz um mal muito grande a mim mesmo quando fiz de César Borges senador da república em 2002”, desabafa Otto.


 


PMDB ELEGE GOVERNADOR DO DF


 


Segundo informa a Uol, o ex-secretário de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal Rogério Rosso (PMDB) foi eleito neste sábado novo governador do DF. O peemedebista conseguiu obter 13 votos dos integra

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!