24 de julho de 2024

Caso Mônica: Polícia investiga se acusado contou com rede de apoio para fugir do país

Por

Redação, sitepa4 (via TNH1)

A Polícia Civil de Alagoas investiga se Leandro Pinheiro Barros, que confessou ter matado Mônica Cavalcanti em São José da Tapera, no Sertão de Alagoas, contou com uma rede de apoio para escapar do cerco policial e fugir para a cidade de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, local onde foi preso na última quarta-feira (3). A informação foi confirmada à reportagem da TV Pajuçara pelo delegado Thales Araújo, da Diretoria de Inteligência da PC-AL.

De acordo com o delegado, a polícia acredita que essa rede de apoio estaria enviando dinheiro ao acusado e plantando informações falsas sobre o paradeiro dele para confundir o trabalho de investigação.

“Leandro nega ter recebido ajuda, mas tudo indica que ele teve todo um apoio para fugir e continuar foragido. Acreditamos que essa rede de apoio enviou dinheiro e informações para Leandro. Inclusive, acreditamos que essa rede espalhou vários boatos sobre o paradeiro dele, e tivemos que lidar com isso ao curso das investigações. Eram boatos que ele estaria frequentando festas e eventos. Essas falsas informações tinham como objetivo confundir as investigações. Leandro também contava com essa rede para se manter na Bolívia, já que ele não tinha emprego formal na cidade onde estava escondido”, explicou o delegado.

Apesar de citar que Leandro recebeu ajuda, o delegado não detalhou quem seriam as pessoas que contribuíram para que ele ficasse foragido por quase 10 meses. Até o momento, o que se sabe é que ele chegou à cidade de Santa Cruz de La Sierra poucos dias após cometer o feminicídio contra Mônica Cavalcanti, em junho de 2023.

“Leandro chegou na cidade de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, pouco tempo depois de cometer o crime. Ele já mantinha uma nova vida, estava com um novo relacionamento amoroso. Tudo isso logo após acabar com a vida da sua esposa e com a família dos dois filhos. Todo o trabalho para a prisão de Leandro foi realizado de uma forma bastante técnica. Ele foi monitorado durante dias, e a operação foi executada de forma em que ele não tivesse possibilidade de fuga e nem de reação. Tudo foi feito de forma tranquila. Ele confessou o crime, disse que estava bêbado na noite do feminicídio”, detalhou Thales Araújo.

A prisão de Leandro Pinheiro Barros contou com apoio de agências de inteligência de outras corporações do Brasil e da Bolívia. Escoltado por agentes da Polícia Civil de Alagoas, ele foi transferido para Maceió e desembarcou na madrugada do último sábado (6).

O caso

– O crime ocorreu no dia 18 de junho deste ano. Testemunhas disseram que o casal Leandro Pinheiro Barros e Mônica Cavalcante estava discutindo em uma festa junina na cidade.

– Horas antes do crime, Mônica gravou um vídeo chorando, dizendo que estava sendo perseguida pelo marido e que temia pela vida.

– No vídeo, ela diz que se algo lhe acontecesse, a responsabilidade era do marido, principal acusado do crime.

– Segundo os autos, o homicídio foi praticado por motivo torpe (ciúmes), sentimento de posse e desprezo à vida da companheira, dificultando sua defesa e demonstrando frieza na execução do ato.

– Além de ter sido indiciado pela Polícia Civil, Leandro já foi denunciado pelo Ministério Público de Alagoas. O juiz Leandro Folly, titular da Comarca de São José da Tapera, também decretou a prisão preventiva dele.

 

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!