23 de julho de 2024

55% dos brasileiros não confiam em Bolsonaro, diz pesquisa CNI/Ibope

Por

João Pedro Caleiro (Exame/Abril)

Jair Bolsonaro: 37% esperam que o resto do seu mandato seja bom/ótimo (Carolina Antunes/PR/Flickr)



 

 

São Paulo – 55% dos brasileiros não confiam no presidente Jair Bolsonaro, de acordo com pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgada nesta quarta-feira (25).

 

A taxa, que era de 45% em abril, foi para 51% em junho e agora atinge 55%. Já a porcentagem dos brasileiros que confiam no presidente foi de 51% para 46% entre abril e junho e agora está em 42%.

 

A margem de erro é de dois pontos percentuais, para cima ou para baixo. Foram ouvidas 2 mil pessoas em 126 municípios entre os dias 19 e 22 de setembro. O levantamento anterior foi feito entre 20 e 26 de junho.

 

A avaliação de que o governo é bom/ótimo era de 35% em abril, caiu para 32% em junho e agora está em 31%. Já a avaliação de ruim/péssimo foi de 27% em abril para 32% em junho e 34% atualmente.

 

Metade da população brasileira desaprova a forma de Bolsonaro governar, uma taxa que era de 40% em abril, foi para 48% em junho e agora atinge 50%.

 

Enquanto isso, a porcentagem dos que aprovam sua condução foi de 51% em abril para 46% em junho e agora está em 44%. A desaprovação já supera a aprovação, portanto, fora da margem de erro.

 

Região e educação
A popularidade varia de acordo com a região. 47% dos nordestinos avaliam o governo Bolsonaro como ruim ou péssimo e apenas 20% consideram ótimo ou bom.

 

Na comparação com junho, os residentes da região Sul apresentam a maior variação na avaliação: a taxa de ótimo/bom foi de 52% para 35% no período enquanto taxa de ruim/péssimo foi de 18% para 28%.

 

A popularidade do presidente também caiu no Sudeste, onde está atualmente em 32%, mas aumentou no Norte e Centro-Oeste, onde está em 39%.

 

Os jovens entre 16 e 24 anos são o grupo para o qual a aprovação do governo apresentou maior queda entre junho e setembro: o percentual de avaliação ótimo/bom foi de 32% para 24%.

 

Entre aqueles com idade entre 45 e 54 anos, a queda foi de 34% para 29% no período. Nas outras faixas, a variação ficou dentro da margem de erro.

 

37% daqueles com ensino superior consideram o governo bom/ótimo, taxa que cai para 30% entre aqueles com até a quarta série do ensino fundamental.




 

Expectativa e áreas
A pesquisa mostra que a expectativa da população para o futuro do governo Bolsonaro caiu, mas dentro da margem de erro.

 

37% esperam que o resto do mandato seja bom/ótimo enquanto 31% esperam que seja ruim/péssimo, com 27% esperando um resto de mandato regular.

 

A queda foi puxada pelas mulheres. Para elas, a perspectiva de o restante do governo ser ótimo ou bom caiu de 34% para 30% entre junho e setembro, enquanto entre os homens permaneceu em 44%.

 

As áreas mais bem avaliadas do governo são, na ordem, Segurança pública (51%), Educação (44%), Combate à inflação (42%) e Meio ambiente (40%).

 

As ações e políticas do atual governo com maiores taxas de reprovação são, na ordem, Impostos (62%), Taxa de juros (61%), Combate ao desemprego (59%) e Saúde (58%).

 

A desaprovação subiu em áreas como meio ambiente, de 45% para 55% entre junho e setembro, e combate à fome e à pobreza, que foi de 51% para 57% no período.







WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Comentários 8

  1. Adri says:

    Não confio em pesquisas. Não dependemos mais de pesquisas para dizer se candidato A ou B é bom. Hoje a fonte se chama “redes sociais”.
    Deixa o homem trabalhar. Ainda é cedo pra críticas. Não compreendo tanto desespero

  2. Renata says:

    Nem devem confiar mesmo, ele é tá mostrando o erro que foi elegê-lo.

  3. Senhora de PA says:

    Ele consegue ser pior que Collor !

  4. Cidadã says:

    Não votei em Bolsonaro mas, tem que ser muito ingênuo(a) para acreditar nessas pesquisas que não tem credibilidade alguma e prova disso é que esses mesmos institutos de pesquisas afirmavam que Bolsonaro não ganharia de nenhum dos candidados e ele foi eleito presidente com 55% dos votos válidos e uma diferença de aproximadamente 11 milhões de votos para o segundo colocado.

  5. Adri says:

    Simplesmente essa revolta é pelas verdades que ele falou na ONU.
    Aumentou o desespero.
    #Bolsonaro…O melhor. Talkey?

  6. Viana Filho says:

    e a outra parte não confia em grande parte dos Brasileiros.

  7. Ze zoiudo says:

    Confio mais no Queiroz do que nesse destrambelhado.

  8. O Físico says:

    BOLSONARO cortou gastos demais para quitar dívidas do governo. A operação pente fino está custando demais sua imagem. Aqui no nordeste o povo quer um presidente que de benefício ao povo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!