Francisco Nery Júnior. A barbearia de Ribeiro – o malandro faz a festa

Por REDAÇÃO - PA4.COM.BR | 10 de junho de 2019 às 18:55

Foto: Reprodução Facebook



 

Nada a ver entre Ribeiro e a malandragem. Muito pelo contrário, Ribeiro, colega ainda da Chesf, com pontes de safena e uma vida de luta e resistência, é a encarnação pura e simples do trabalho, da virtude e da vetustez. Em suma, Ribeiro é todos nós; somos nós outros.

 

Dá gosto entrar na barbearia de Ribeiro. Parece que a honra e a seriedade se juntam lá na frequência, nesse caso masculina, da nata de Paulo Afonso. Eles constituem o banco de reserva da cidade que a maioria dos gerentes prefere ignorar. Têm tanto a contribuir, mas são forçados a se resignar na cadeira do barbeiro. Chega um e chega outro, entram e saem de cabelo cortado, barba criteriosamente feita, despejam experiência, diagnosticam (não encontrei um sinônimo mais palatável para o leitor) ruídos e vão embora deixando para trás um misto de estupefação (também não) e resignação.

 

Francisco Nery Júnior.

Ainda sobre Ribeiro, filhos e mulher retos nos princípios da fé, Ribeiro direto ao assunto. Ribeiro que correu atrás do ladrão de moto-táxi, o abordou e imobilizou com um mata leão, ignorando a possibilidade de uma vingança, Ribeiro que tirou o relógio da parede e ofertou para a mulher que insistentemente passava pela sua barbearia a perguntar as horas.

 

Essa plêiade (de novo) de valores poderia atuar. Poderiam ofertar soluções. São os anciãos que não deixavam o mundo antigo vacilar. O mundo seria melhor. Não prestam mais. O prazo de validade venceu. A parceria com os jovens dos start-ups (também valorosos) não acontece. Não se trata, nesta crônica, de laborar em causa própria. Muitos de nós optamos pelo merecido descanso. Os malandros agradecem. O caminho está livre. Malandramente, agradecem. E todos padecem!

 

E como impressionam as técnicas desenvolvidas pelos malandros! Uma delas é desclassificar. [Tentar] ridicularizar aquele em quem identificam o perigo. E nisso são mestres. Não importa que mais adiante cometam erros infantis. Partem para alto-mar e geralmente lá perecem ou desaparecem na poeira do tempo ou no fundo do abismo. A poeira do tempo é o troféu que bem merecem.

 

Outra técnica é o modismo. Apelam para a terminologia da malandragem e impressionam os incautos. Cantam o canto da sereia. Decoram uma meia-dúzia de palavras, umas tiradas da baú da malandragem antiga, e esbanjam cultura: colocação, empoderamento, desconstrução. Como “colocação” deslocou para sempre a minha capacidade de raciocínio e interação no meu período das trevas. Usaram, abusaram e demonizaram o termo. Os rios de recursos investidos pouco serviram, a não ser para enriquecer alguns malandros que, curvados, hoje desfilam nos shoppings das nossas capitais, com as caras, sem ofensa, das rezadoras peninentes do alto sertão.

 

E nós, nós outros ficamos nós a lamentar o tempo perdido se perdido fosse o tempo dos que têm fome e sede de justiça.

 

Francisco Nery Júnior




 

2 pensamentos em “Francisco Nery Júnior. A barbearia de Ribeiro – o malandro faz a festa”

  1. Parabéns pela crônica, também pela homenagem ao homem que fixou moradia em nossa cidade, semente germinada e multiplicada na medida certa. Ribeiro, homem do bem, trabalhador informal nas horas de folga, empreendedor e funcionário antigo da “Companhia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  • Telefone: 75 3281.9421
  • E-Mail: comercial@pa4.com.br
© 2015-2016. Todos os direitos reservados.